sábado, 20 de maio de 2017

VAMOS TRABALHAR

Podem colocar aqui até dia 1 de Junho (5ª feira), as respostas às questões das fichas de trabalho das pp. 94 e 95 sobre "Nações e nacionalismos na Europa multicultural" (incluindo a síntese); pp. 96 e 97 "Salvar o Planeta" (incluindo a síntese); pp. 103-104 sobre "Globalização".

18 comentários:

  1. Boa tarde, o teste vai de que página a que página?

    ResponderEliminar
  2. Inclui conteúdos da p. 19 à p.93. Por isso o manual não é uma muito boa base de apoio para sistematizar os conteúdos - devia ter sido feito na aula e através da realização de todos os exercícios entretanto propostos.

    ResponderEliminar
  3. Página 95

    1. Três fatores explicativos da situação presente nos Docs. A e B são: o desaparecimento de regimes comunistas; antagonismos históricos e deve-se também às fronteiras traçadas.
    2. O autor do Doc C1 afirma que o conceito de Estado-Nação não irá sobreviver à globalização, dizendo que as fronteiras caíram e as soberanias são limitadas. Com a globalização, o autor entende que, quem “sobrevive” é o país mais “internacional” do que “nacional”.
    Já o autor do Doc C2, diz o contrário, dizendo que o Estado-Nação, apesar da globalização, mostra resiliência capaz de promover a integração política e a parceria na comunidade política mundial.
    Assim afirmando que o Estado-Nação vai sobreviver à globalização.
    3. Três características do nacionalismo da Frente Nacional, em França, são: o fascismo histórico, a intolerância religiosa e migratória e o ceticismo.
    4. Os Docs. E e F respondem às reservas da Frente Nacional francesa, na medida em que, dispensam o “eurocentrismo” e a intolerância religiosa e focam-se em construir uma Europa mais inclusiva e multicultural.
    5. Com base em todos os documentos do dossiê, os principais desafios que se colocam ao Estado-nação são, sem dúvida, as fragilidades das fronteiras dos pós-guerras que origina uma explosão de Estados; a globalização que dita condutas mais “internacionais” sendo que as soberanias ficam mais frágeis; o eurocentrismo, a intolerância e o fascismo de alguns nacionalismos; e por fim, a afirmação do multiculturalismo.

    Página 97

    1. De acordo com o Doc.A, as quatro preocupações ambientais, em destaque, nas últimas décadas são: o buraco na camada de ozono (1985); o efeito de estufa (1997); acidentes nucleares, o mais nótavel o de Chernobly (1986) e as alterações climáticas (2000).
    2. Três promotores das respostas às preocupações são: o desenvolvimento sustentável (doc.B), as Cimeiras da Terra (doc.D) e a ação de várias ONG como a Greenpeace (doc.E)
    3. Quem dificulta a resolução destes problemas, são aqueles que ignoram a ação das ONG.
    4. A humanidade pode promover um desenvolvimento sustentável através da preocupação para com connosco e para as nossas futuras gerações. A saúde do planeta e o bem estar da humanidade são resulta na preservação da nossa qualidade de vida.

    Página 104

    1. De acordo com documento A, o apelo de Ban Ki-moon é dirigido às organizações de comércio, económicas e monetárias.
    Este apelo consiste em alertar as grandes organizações e empresas para problemas sociais, de forma a que estes sejam ultrapassados.
    2. Com base no docs. B a F, formas de contestação à globalização são as manifestações a favor dos direitos do povo, a fim de não serem explorados pelas grandes empresas e começarem a ter uma “voz” sobre os problemas que lhes afetam diretamente.
    Os conteúdos de críticas à globalização, remetem à chamada “globalização selvagem” que alimentam o terrorismo e outros crimes, tolera os paraísos fiscais e branqueamentos, ocorre corrupção e austeridade imposta por governos, existe uma ditadura de mercados e há falta de transparência nas políticas.
    3.Alterglobalização é um conceito em que consiste um projeto de desenvolvimento equilibrado, que elimine os fossos entre homens e povos, respeite as diferenças, promova a paz e preserve o planeta.

    Trabalho realizado por: Soraia Monteiro

    ResponderEliminar
  4. 1º parte
    Página 95
    1-Vêem-se os novos estados-nação que surgiram após a desintegração da União Soviética.
    A maioria desses estados aderiram ONU. Há alguns estados autoproclamados que não são membros.
    Os movimentos nacionalistas e independentistas ganharam mais força.
    2-Os 3 aspetos que se opõem são:
    O autor do doc. C1 afirma que os Estado-Nação vão desaparecer dentro da União Europeia.
    Com a globalização, os países têm que ter políticas internacionais e não há lugar a nacionalismos.
    A soberania de cada estado está a desaparecer, os estados têm que se mover económica e socialmente, de acordo com o que é decidido pela União.
    Já o autor do documento C2 afirma:
    São os Estado-Nação a única instituição capaz de promover a integração politica e a parceria na comunidade política mundial.
    A globalização é um mito. Porque os estados continuarão a existir e as empresas são administradas por nacionais e não por estrangeiros.
    Os Estado-Nação vão continuar soberanos, mas com adaptações às políticas internacionais.
    3-Três caraterísticas do nacionalismo da Frente Nacional em França são: a imigração de muçulmanos com radicalização religiosa, o sentimento de rejeição desses imigrantes face à cultura e ao modo de viver francês, um sentimento forte de defesa da pátria afetando a multiculturalidade e o crescimento de ódio étnico.
    4-Responde às reservas da Frente Nacional francesa na medida em que, aponta as políticas do Ocidente no Médio Oriente (invasão do Iraque, da Líbia, do Afeganistão e guerra civil da Síria), como o principal responsável pelos ataques de radicais islâmicos que imigram para o Ocidente com esse propósito, por outro lado defende que uma Europa que fomente a inclusão, a multiculturalidade e o Estado social, será a melhor forma de assimilar os imigrantes muçulmanos e evitar extremismos, porque tal como podemos ver no exemplo do doc. F, a maioria dos muçulmanos manifestam-se pacificamente.
    5-Os principais desafios que se colocam ao Estado-Nação na Europa são: as crescentes tensões étnicas, que levam a conflitos sociais e religiosos, as migrações motivadas pelas guerras e instabilidade no Médio Oriente, os problemas de segurança, como o terrorismo e a perda de liberdades individuais em favor de um maior controlo de todas as atividades dos cidadãos dentro do espaço europeu.

    Página 97
    1-Quatro preocupações ambientais nas últimas décadas são: acidentes em centrais nucleares, danos na camada de ozono, desastres ambientais com petroleiros plataformas petrolíferas e derrames químicos, alterações climáticas provocadas pela ação do homem.
    2-Três promotores das respostas às preocupações ambientais são as Nações Unidas, a Greenpeace e as ONG. Três iniciativas tomadas são: a Cimeira da Terra, o Protocolo de Quioto e a Cimeira do Rio+20.
    3-Quem dificulta a resolução dos problemas ambientais são: a Cimeira de Copenhaga que não fixou limites para a redução de CO2 e o incumprimento dos acordos e promessas feitas pelos estados durante as conferências.
    4-A humanidade pode promover o desenvolvimento sustentável através do cumprimento das políticas ambientais acordadas nas cimeiras pela Terra, as empresas têm que poluir menos e encontrarem formas de produção que utilize energias limpas, a erradicação da pobreza e da fome através um comércio global mais justo e que não seja protecionista, partilha de tecnologia com países pobres, investir em energias renováveis desativando centrais nucleares e deixando de utilizar combustíveis fosseis, administrar de forma sustentável os recursos marinhos, promover a agricultura biológica sem o recurso a pesticidas e adubos que poluem a terra e aquíferos.

    ResponderEliminar
  5. 2º parte
    Página 104
    1-O apelo de Ban Ki-moon dirige-se ao Fórum Económico Mundial e consiste num apelo a que alterem os governos promovam as mudanças que permitam um futuro sustentável e próspero para todos e a partilha de tecnologia com os países pobres.
    2-Formas de contestação à globalização são: através de manifestações, sendo o conteúdo de crítica a forma de comércio existente em que as grandes empresas despedem trabalhadores e abrem fábricas em países com mão-de-obra sem direitos e muito mal paga, a crítica à forma como a bolsa sem regulamentação criou umas das maiores crises mundiais, ao desemprego, à austeridade imposta pelos governos, à ditadura dos mercados, à corrupção dos banqueiros gananciosos que ganharam milhões à custa de especulação e à falta de transparência dos políticos que cedem ao poder da economia dos mercados.

    ResponderEliminar
  6. Ricardo, Nélson e Andreia (Eles colocaram as restantes respostas)

    Pág. 97
    1. Com base nos documentos A e C, quatro preocupações ambientais nas últimas décadas foram, em 1978, a evacuação da comunidade de Love Canal (Chicago, EUA) devido à acumulação de resíduos químicos perigosos. Em 1985, dá-se a descoberta do "buraco de ozono" sobrr a Antártida. Em 1991, temos o despejo, pelo Iraque, de mais de um milhão de toneladas de petróleo no Golfo Pérsico, e mais recentemente, em 2010, dá-se uma explosão no golfo do México, de uma plataforma petrolífera (como vemos no doc. C), que origina uma maré negra de grandes dimensões.

    2. Três promotores das respostas às preocupações ambientais foram o desenvolvimento sustentável, as cimeiras da ONU e as ações de várias ONG. Três iniciativas tomadas foram as manifestações de organizações como a Greenpeace, a criação de tratados para a preservação da fauna e da flora mundiais e criação de tratados para o combate contra o aquecimento global.

    3. Quem dificulta a resolução dos problemas ambientais são todos aqueles países que não ratificam/cumprem tratados que visam proteger o ecossitema mundial.

    4. A humanidade pode promover um desenvolvimento sustentável através de várias medidas como o uso de energias renováveis, da redução da poluição, etc. Ações que têm como objetivo proteger o nosso ecossistema, pois o desenvolvimento sustentável deve responder às necessidades do presente mas nunca comprometendo as gerações futuras, daí a necessidade de proteger os nossos recursos em vez de os esgotar.

    ResponderEliminar
  7. Trabalho realizado por: Andreia Bernardo, Nelson e Ricardo
    Página 104
    1. Ban Ki-moon dirige o seu apelo à organização de comércio. O seu apelo consiste em avisar as empresas dos problemas que estão a decorrer de maneira a assegurar um bom futuro para as empresas.
    2.Com base nos documentos, as pessoas manifestavam, e protestavam contra o desemprego, a austeridade imposta pelos governos , a ditadura dos mercados, a corrupção dos banqueiros e a falta de transparência dos políticos
    3. Conceito que explica o processo de construção de alternativas ao paradigma dominante.

    ResponderEliminar
  8. pag.94-95
    1. Três fatores que podem explicar a situação representada nos Docs. A e B são: o desaparecimento dos antigos comunistas que desaparecem com a queda da U.R.S.S; os as oposições históricas entre os países e deve-se também as fronteiras traçadas.

    2. O autor do Doc C1 afirma que o conceito de Estado-Nação não iria conseguir sobreviver à globalização, pois ele acredita que as fronteiras não iriam resistir. Através do fenómeno da globalização, o autor acredita que, irá sempre prevalecer a ideia de algo internacional, afastando-se assim do nacionalismo que se vivenciou durante vários séculos
    pelo o contrario o autor no Doc C2, , afirma que o Estado-Nação, apesar da globalização, é capaz de progredir e de promover uma ideia integração entre os países juntando todo o mundo algo que nunca tinha ocorrida antes e que seria benéfico.
    Assim afirmando que o Estado-Nação vai sobreviver à globalização.

    3. Três características do nacionalismo da Frente Nacional, em França, são: o fascismo histórico, a intolerância religiosa e o ceticismo.

    4. Os Docs. E e F respondem às reservas da Frente Nacional francesa, já que, dispensam uma Europa virada para dentro e com países nacionalistas desprezando também a intolerância religiosa e focando-se em promover uma Europa multicultural com a união de todos os países a trabalhar para criar um bem-estar europeu

    5. Com base em todos os documentos, os principais desafios que se colocam ao Estado-nação são, as fragilidades das fronteiras do pós-guerra que acabou por criar diversos novos estados; a idealização da globalização que cria uma ideia mais global do mundo e a difusão cultural entre os países e que dificulta sem dúvida a soberania e promove até a um certo ponto a perda da identidade do país;, a intolerância e os regimes fascistas que assombram alguns países e que causam mal estar; e por fim, a afirmação do multiculturalismo e da união de todos os povos, na criação de uma nova ordem mundial.

    trabalho realizado por Nelson guerreiro Ricardo faria e Andreia Bernardo(a Andreia e o Ricardo iram meter as restantes paginas)

    ResponderEliminar

  9. Ruben Barbacena

    Página 94/95
    1- Os três fatores explicativos das situações presentes nos documentos “A” e “B” são:
    O aumento dos movimentos independentistas (Documentos B). Como exemplo destes movimentos temos a situação da “Catalunha”, de “Flandres, da “Escócia” entre outros;
    São criados novos Estados-Nação, estes países são na sua totalidade países de leste que em todos a adição à ONU foi evidente. Este fenómeno deveu-se ao facto da queda da URSS, e do fim da “Cortina de Ferro”;
    Por fim, existem vários estados autoproclamados(reconhecidos) mas que não fazem parte da ONU (Exemplo: Estado Federal da Nova Rússia, Kosovo, Palestina, Abecásia e Alto Karabakh)

    2- O autor do documento “C1”, refere e defende que a queda das fronteiras, a dependência por parte dos países sob assistência financeira é muito elevada, que os países passam a ser cada vez mais nacionais, por adotarem regras internacionais. Este autor defende o final das soberanias dentro dos países e com isto o fim das nações.
    Já o autor do documento “C2”, refere os benefícios e vantagens do Estado-Nação, defende ainda mesmo que um país adote o Estado-Nação ainda terá soberania sobre ele mesmo (País) pois, possuirá empresas do seu próprio seio e não estrangeiras.
    Dirige-se à globalização como um “mito e que o Estado-Nação irá sobreviver à mesma (globalização), por fim, este autor indica que o Estado-Nação é o único capaz de promover a integração politica e a parceria na comunidade politica mundial.

    3- As três características do nacionalismo da Frente Nacional francesa são: A necessidade de nacionalizar os seus cidadãos independentemente das suas origens para reforçar o espirito francês bem como pela francesa (Hino nacional da França), defendem a imigração para o seu país, porém não em termos religiosos e por fim o terceiro ponto a França é um todo (Documento D3) e a “Pátria” é a sua virtude mais importante (Documento D1).
    4- Os documentos “E” e “F” respondem às reservas da Frente Nacional francesa na medida que é defendido a imigração, porém não de caracter religioso, pois isso apenas contribui para a criação de mais extremistas.


    Página 96/97
    1- Desastres ambientais com petroleiros (Documento C) e (2010), alterações climáticas (2009), descoberta do “buraco de ozono” (1985), acidente na central nuclear de Fukushima (2011).
    2- Os três promotores das respostas às preocupações ambientais são: As várias cimeiras criadas com vista a um mundo melhor e mais sustentável, a ação das várias ONG’s e o PNUMA (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, entre outras.
    3- Para finalizar as três iniciativas tomadas são: As manifestações em protesto da organização Greenpeace, O desenvolvimento sustentável e ainda a criação de diversos tratados que visavam por exemplo aspetos tão abrangentes porém benéficos tais como a preservação da diversidade da fauna e da flora (1992).
    4- Quem dificulta a resolução dos problemas ambientais é quem não coopera e refeita os tratados. É um esforço que tem de ser feito em conjunto e do qual das consequências somos todos alvos.

    Ruben Barbacena

    ResponderEliminar
  10. Ruben Barbacena (Continuação)

    Página 103/104
    1- O apelo de Ban Ki-moon vai de encontro ás instituições de comércio pois são elas que não só têm a visibilidade e o poder de fazer a diferença, mas muitas não são as mais amigas do ambiente.
    Ban Ki-moon defende que é determinante a cooperação internacional entre todos, para combater as alterações climáticas. Diz ainda que as intuições de comércio têm de dar o exemplo, mostrando o caminho certo a seguir.
    2- As formas de contestação à globalização são nada mais nada menos que as manifestações em si, que são a forma que o cidadão “normal” encontra para ganhar voz tendo em conta as suas crenças, estas manifestações são em prol dos direitos dos cidadãos, da justiça social entre outros motivos.
    Os conteúdos das criticas à globalização devem-se ao facto da existência de um mundo “desregulado”, onde existe pobreza, corrupção, injustiças e criminalidade. O cenário é semelhante a uma doença, se cada pais tem a sua doença é legitimo que tente combate-la dentro do que lhe é possível, porém com a globalização cada pais abre as suas fronteiras e contamina o pais vizinho e todos os países ficam mais doentes do que estavam antes. Para existir uma globalização segura e sustentável é imperativo que este processo se dê quando cada pais tiver curado a sua própria “doença”.

    ResponderEliminar
  11. Ruben Barbacena

    Sínteses

    Página 94/95
    5- Os principais desafios dos Estados-Nação são: As tenções étnica. Na região do Cáucaso, por exemplo, os Tchechenos declararam-se independentes, em 1991, contra a vontade do Governo russo, dando início a um conflito armados. A migração, Os fluxos migratórios intensos colocam novos desafios aos países de acolhimento, aos quais o Estado-Nação nem sempre consegue responder. A segurança, as principais ameaças à segurança global prendem-se com a evolução do armamento e com o terrorismo. O ambiente, a prevenção e a solução dos problemas ecológicos dependem da capacidade dos Estados-Nação para agir em cooperação.

    Página 96/97
    4- A humanidade pode promover um desenvolvimento sustentável procurando sempre melhorar o meio ambiente, seguindo e participando em cimeiras, tratados ou conferências. Alterando o paradigma de lucro acima de segurança ambiental ( das empresas). Efetuando uma aposta forte na educação, educando os nossos jovens a saberem cuidar do nosso planeta. Utilizando energias renováveis. Reduzir a perda de Biodiversidade. Utilizar de forma mais correta as matérias primas e os recursos humanos. E por fim a respeitar as metas de desenvolvimento do milénio (MDM).

    Página 104
    3- Alterglobalização é o conceito que explica o processo de construção de alternativas ao paradigma dominante

    ResponderEliminar
  12. InÊs Silva

    p.95

    1. Os três factores que explicam as situações presentes nos doc. A e B são: o desmoronamento da URSS (estados comunistas), o fim da Guerra Fria e a o aumento dos Estados-Nação.
    2. Enquanto que o autor José António Saraiva defende que os Estados –nação não sobreviverão á globalização (“todas as economias estão em competição aberta e direta no mundo global”) por outro lado Abdul Hafiz defende que Estado-nação sobreviverá á globalização dado que é o único “capaz de promover a integração política e a parceria na comunidade politica mundial”.
    3. A frente nacional em França é caracterizada pelo sentimento de rejeição aos costumes e hábitos franceses por parte dos muçulmanos emigrantes, o forte sentimento patriota dos franceses que lutam pela preservação dos seus costumes e imposição da sua cultura no seu país.
    4. Na medida em que apontam que a “espiral de violência” não provém só da União Europeia e que a mesma não pode ser combatida só com uma política de segurança e que, por outro lado, as políticas de promoção de diversidade estão cada vez mais restringidas (exemplo da Frente Nacional de França que se mostra intolerante perante a crença dos muçulmanos em expressar a sua cultura).
    5. O s principais desafios que se colocam ao Estado-Nação na Europa é a Globalização (“Cada país já não pode fazer as leis, estabelecer salários, elaborar horários de trabalho…”), a crescente vaga de emigrantes, que consigo trazem as suas culturas, que pretendem manter e praticar (doc.D 1 E 2) e, por outro lado, o eurocepticismo e intolerância perante a diversidade e “espiral de violência” que já não ultrapassa todas as fronteiras (“não só na União Europeia”).

    ResponderEliminar
  13. Peço desculpa pelo atraso professora, aqui está a finalização das perguntas. Bom fim de semana.

    Inês Silva

    (continuação)

    p.97

    1.Nas ultimas décadas as preocupações ambientais tem sido uma contaste, podemos destacar entre as mais preocupantes a destruição da camada de ozono (1985 - Descoberta do buraco de ozono sobre a Antárctida), o aquecimento global e a destruição das florestas tropicais.

    2.Como forma de resolver os problemas ambientais foi assinado no japão o tratado de Quioto em 1997, que previa a redução global, até 2012, de 5 dos gases que provocam efeito de estufa, a cimeira da Terra e a Cimeira do Rio 20+ (doc.F). Os três promotores das respostas ás preocupações ambientais são as Nações Unidas, a Greenpeace e as ONG.
    3. Quem dificultou a resolução dos problemas ambientais foram os participantes da cimeira de Copenhaga que quebraram com os compromissos e falharam os objectivos e as promessas feitas, não estabelecendo também, limites quantitativos para a redução do CO2.

    p.104

    1. O apelo de Ban Ki-moon dirige-se ao Fórum Económico Mundial e consiste num a apelo aos governos para que deiam o exemplo de cooperação aos consumidores e aos fornecedores dos seus países, e que trabalhem em conjunto com as suas sociedades para “bem colectivo do mundo inteiro”.
    2. As contestações á globalização fazem a partir de cartazes (doc.c) e manifestações, que juntam multidões em diferentes países (doc.E, D, F). Estas contestações provém da globalização selvagem que de dar lugar a uma globalização “com rosto humano”, e cidades como em Madrid (doc.E) em os manifestantes protestavam contra o desemprego, a austeridade imposta pelos governos, a ditadura dos mercados, a corrupção dos banqueiros e a falta de transparência dos políticos.
    3.A Alterglobalização define-se como o conceito que explica o processo de construção de alternativas ao paradigma dominante, da globalização económica, financeira e informativa.

    ResponderEliminar
  14. Sara Sousa, Katia Ablé, Tatiana Filipa e Carina Gomes

    Página 95

    1. No século XX, os Estados-Nação registam uma expansão planetária, tornando-se o elemento estruturador da ordem política internacional. O desmembramento dos impérios autoritários após a primeira guerra mundial faz multiplicar os Estados-Nação no hemisfério norte. Mais tarde, no segundo pós-guerra, o Estado-Nação triunfa no hemisfério sul, mercê dos movimentos de descolonização incentivados pela ONU. Nos anos 90, com o desmembramento da URSS e o fim da Guerra Fria, as reivindicações nacionais e nacionalistas voltam a minar a cena política.

    2. O autor do doc.C1 afirma que o fim das nações se aproxima através da globalização. "As fronteiras caíram e as soberanias tornaram-se mais limitadas". Muitos destes países perdem progressivamente a capacidade de decisão autónoma: não podem fazer leis, estabelecer salários, elaborar horários de trabalho, definir idades de reforma. José António Saraiva, acredita que, as regras sob as quais cada país se rege, são cada menos nacionais e por sua vez, mais internacionais.
    O autor do doc.C2, acredita não existir "outra instituição capaz de promover a integração política e a parceria na comunidade política e mundial" para além do Estado-Nação. Assim, o mesmo sobreviverá a globalização, já que "as empresas terão de pertencer a algum estado e os seus direitos são quase exclusivamente de uma só origem nacional".

    3. Três características do nacionalismo da Frente Nacional em França são: a Pátria, que é um lugar de enraizamento (terra dos homens) e de virtudes e uma alternativa à uniformidade da globalização; o facto da existência de milhares de muçulmanos nos últimos 30 anos que é uma cultura contraditória à dos franceses, em que, primeiramente, é necessário ser francês do que qualquer outra nacionalidade e por fim, a prática da assimilação à francesa nas escolas, pois se uma identidade nacional não for forte, os muçulmanos irão manifestar sempre a sua identidade religiosa.

    4. O documento E responde às reservas da frente nacional francesa pelo facto de uma jovem embora muçulmana mostrar que também é francesa. No documento F, um jornal i que explica a situação de "Charlie Hebdo" que mesmo avisado, não conseguiu evitar o ataque; o que leva ao medo da Europa em ser atacada constantemente, sem conseguir evitar tais atos.

    5. Um conjunto de factores determina a crise do estado-nação. Incluem-se, neste âmbito, os imensos conflitos étnicos que minam a autoridade do Estado central e dificultam a tomada de consciência nacional; os nacionalistas separatistas, como o Quebeque no Canadá, o escocês da Grã-Bretanha, o basco e o catalão em Espanha; a crescente valorização das diferenças e especificidades de grupos e indivíduos dificultam, também, a construção da identidade nacional. Outros desafios igualmente relevantes são: a globalização, a circulação de pessoas e capitais à escola mundial, as migrações e criminalidade transfronteiras, o terrorismo e ainda, os grandes problemas ambientais.

    ResponderEliminar
  15. Página 97

    1. Quatro preocupações ambientais nas últimas décadas são tsunami e subida das águas do mar, como libertações de gás tóxicos; explosões nucleares e incêndios e atentados.
    Em síntese, as preocupações ambientais das últimas décadas têm referencia de 2011 com o tsunami no Japão; em 1978 com a libertação da comunidade devido à resíduos químicos e libertação de gás tóxico em 1984; em 2010 com a explosão no golfo do México, visível também no documento c, de uma plataforma de petróleo e 1991 com o despejo de petróleo no golfo pérsico. e 1985 com o atentado contra o navio rainbow warrior.

    2. A cimeira da terra de 1992, cimeira do rio+20 de 2012 e as conferências de Copenhaga e das nações unidas correspondem a promotores de resposta às preocupações ambientais e consequentemente três iniciativas para uma evolução, principalmente sobre o clima.
    Embora o protesto da organização greenpeace em 2009 e a voz das ONG da juventude em 2011 sejam na verdade iniciativas mais marcantes.

    3. Quem dificulta a resolução dos problemas ambientais são os representantes de grupos de interesse, as empresas que têm influência e o dinheiro, que os leva a negociar bastante mas a não concretizar promessas nenhumas.
    Uma demonstração dessa falta de promessas é o protesto da organização Greenspace em 2009, que foi levada a cabo pelo facto de a Cimeira de Copenhaga não ficou limites quantitativos.

    4. O desenvolvimento sustentável deve corresponder às necessidades dos seres humanos presentes, sem comprometer as necessidades futuras, para que se possa viver num meio vivo, justo e reprodutível. Existem fatores preocupantes acerca deste tema para a humanidade, como por exemplo a preservação do meio ambiente para as futuras gerações, garantindo os recursos naturais para a subsistência da espécie humana e de todos os seres vivos e o problema da fome e da pobreza, que é provocada pelo desequilíbrio ecológico e alto padrão de consumo, como nos é referido no DOC.F, que também nos indica que é necessário o combate às alterações climáticas, onde já existiram vários protestos acerca deste problema urgente, onde observamos a imagem no DOC.E.
    Salvar o planeta é uma tarefa urgente e ambiciosa, mas que todas as culturas e civilizações podem contribuir para o desenvolvimento sustentável, pois todos nós temos direito à vida saudável e produtiva, sem pormos em risco as nossas vidas com catástrofes ecológicas causadas por plataformas petrolíferas (DOC.C), ou problemas com o gás ou o carvão que estão a por em risco o aquecimento do nosso planeta, sendo necessário cuidado com estas reservas de combustíveis fósseis para a temperatura da Terra, sendo que estes factos têm sido ignorados e praticados pelos nossos políticos sem qualquer consciência, que nos refere o DOC.H, publicado no Jornal Público.
    Os Estados têm o direito soberano de explorar os seus próprios recursos, desde que não ponham em risco outros Estados e estes deverão cooperar para erradicar a pobreza e de satisfazer as necessidades da maioria dos povos do mundo e a paz, o desenvolvimento e a proteção do ambiente são interdependentes e todos nós necessitamos desses fatores.

    ResponderEliminar
  16. Página 104
    1. O apelo que Ban Ki-moon faz dirige-se aos membros participantes no Fórum Económico Mundial, que são, maioritariamente, as empresas mais ricas.
    Ban Ki-moon apela a que haja uma cooperação internacional entre todos estes membros, trabalhando para o "bem coletivo do mundo inteiro". É necessário que estes membros dêem o exemplo aos consumidores, fornecedores e empregados, cooperando para um futuro sustentável e próspero, onde os mais fortes ajudam os mais fracos.

    2. A globalização tem vindo a tornar-se um motivo de contestação cada vez maior á volta do mundo. Esta contestação tem sido feita através de diversas formas: usam-se cartazes com críticas escritas e fazem-se inúmeras manifestações, onde as pessoas saem á rua para protestar e usam máscaras ofensivas ao governo e a todos aqueles que querem atingir.
    As críticas feitas á globalização são muitas, sendo que os manifestantes lutam contra o comércio livre da OMC, contra o desemprego, a austeridade, a ditadura dos mercados, a corrupção dos banqueiros e a falta de transparência dos políticos.

    3. A alterglobalização é uma forma de contestação á globalização. Está contestação ganhou este nome, pois procura alternativas ao processo de globalização .
    Assim, a alterglobalização surge com o projeto de um desenvolvimento equilibrado, eliminando as diferenças e muros existentes entre os homens e países, respeitando e promovendo a paz e a preservação do planeta, algo que não acontece com a atual globalização.

    ResponderEliminar
  17. Sandra (por email):

    Página 95

    1) Os três fatores que explicam as situações presentes nos docs. A e B são: o desmoronamento da URSS, o fim da Guerra Fria e a o aumento dos Estados-Nação.

    2) De acordo com o autor do doc. C1, o fim das nações aproxima-se através da globalização: "As fronteiras caíram e as soberanias tornaram-se mais limitadas". Muitos destes países perdem progressivamente a capacidade de decisão autónoma: não podem fazer leis, estabelecer salários, elaborar horários de trabalho, definir idades de reforma. José António Saraiva, acredita que, as regras sob as quais cada país se rege, são cada menos nacionais e por sua vez, mais internacionais.
    Já o autor do doc. C2, acredita não existir "outra instituição capaz de promover a integração política e a parceria na comunidade política e mundial" para além do Estado-Nação. Assim, o mesmo sobreviverá à globalização, já que "as empresas terão de pertencer a algum estado e os seus direitos são quase exclusivamente de uma só origem nacional".

    3) Três características do nacionalismo da Frente Nacional em França, são o sentimento de rejeição aos costumes e hábitos franceses por parte dos muçulmanos emigrantes, o forte sentimento patriota dos franceses que lutam pela preservação dos seus costumes e a imposição da sua cultura no seu país.

    4) Os documentos E e F respondem às reservas de Nacional francesa na medida em que apontam que a “espiral de violência” não provém só da União Europeia e que a mesma não pode ser combatida só com uma política de segurança.

    5) Resumidamente, os principais desafios que se colocam ao Estado-Nação, na Europa são a globalização; a circulação de pessoas e capitais à escola mundial; as migrações e criminalidade transfronteiras; o terrorismo ; os grandes problemas ambientais; o euroceticismo; a intolerância perante a diversidade; os conflitos violentos.

    Página 97

    1) Quatro preocupações ambientais nas ultimas décadas têm sido destruição da camada de ozono; o aquecimento global e os tsunamis; a destruição das florestas tropicais; a libertação de toneladas de radioatividade no mar e no ar.

    2) Os três promotores das respostas às preocupações ambientais são as Nações Unidas, a Greenpeace e as ONG. As iniciativas tomadas foram: o tratado de Quioto em 1997, que previa a redução global, até 2012, de 5 dos gases que provocam efeito de estufa; a cimeira da Terra e a Cimeira do Rio 20+ .

    3) Quem dificultou a resolução dos problemas ambientais foram os participantes da cimeira de Copenhaga que quebraram com os compromissos e falharam os objetivos e as promessas feitas, não estabelecendo também, limites quantitativos para a redução do CO2.

    Página 104

    1) O apelo de Ban Ki-moon dirige-se aos membros participantes no Fórum Económico Mundial Ban Ki-moon apela a que haja uma cooperação internacional entre todos estes membros, trabalhando para o "bem coletivo do mundo inteiro". É necessário que estes membros deem o exemplo aos consumidores, fornecedores e empregados, partilhando as tecnologias com os pobres, cooperando, assim, para um futuro sustentável e próspero.

    2) Relativamente a formas de contestação à globalização, estas verificam-se nos cartazes com críticas escritas e manifestações por parte dos cidadãos. No que toca ao conteúdo das críticas à globalização, os manifestantes protestam contra o desemprego, a austeridade imposta pelos governos, a ditadura dos mercados, a corrupção dos banqueiros e a falta de transparência dos políticos.

    ResponderEliminar
  18. Marcelo Assis
    Pagn 96 e 97-
    1-As quatro preocupações ambientais nas ultimas de decadas (doce. A e C) foram o aquecimento global , a destruição da camada de ozono , libertação de toneladas de radioatividade no mar e no ar e a destruição das florestas.
    2-Os três promotores das respostas ás preocupações ambientais foram as ONG as Nações Unidas e a Greenpeace as iniciativas tomadas foram o tratado de Quioto previa a redução global, até 2012, de 5 dos gases que provocam efeito de estufa; a cimeira da Terra e a Cimeira do Rio 20+ (2012) redução dos combustiveis fósseis.
    3-Quem dificulta a resolução dos problemas ambientais foram os participantes da cimeira de Copenhaga.
    4-A humanidade para promover um desenvolvimento sostentavel , primeiramente têm que se organizar , e ajudarem - se um aos outros , contribuir para ajudar o nosso mundo , como evitar poluir , evitar que ocorram certas catástrofes, envestir em certos setores de segurança infra-estruturas para promover a melhoria da qualidade da vida do ser humano e do mundo.
    Pagn 103 e 104-
    1- O apelo de Ban ki-moon dirige-se aos membros participantes no Fórum Económico Mundial Ban Ki-moon o seu apelo consiste em que os governos dessem o exemplo de cooperação aos consumidores e aos fornecedores dos seus países, e que trabalhem em conjunto com as suas sociedades.
    2-Formas de contestação á globalização fizeram-se atravez de manifestações , cartazes , greves , protestavam contra o desemprego, a austeridade imposta pelos governos, a ditadura dos mercados, a corrupção dos banqueiros.
    3-A Alterglobalização é o conceito que explica o processo de construção de alternativas ao paradigma dominante.
    Com seu surgimento, não se trata mais de uma simples e sistemática contestação dessa globalização mas de uma análise perspectiva crítica, de um afastamento radical, bem como da experimentação de novas propostas, de novos modelos de organização econômica, social, política e cultural.

    ResponderEliminar