sexta-feira, 21 de outubro de 2016

HOJE TRABALHÁMOS

Podem colocar aqui as respostas da ficha de trabalho sobre a situação de Portugal no 1º pós-guerra realizada na aula.

20 comentários:

  1. PÁGINA 85

    1) A 1ª República caracterizava-se por uma crónica instabilidade governativa devido às diferentes formas de governo, tais como: o parlamentarismo, que interferia em todos os aspetos da vida governativa, exigindo constantes explicações aos membros do Governos e enveredando, até, pela via dos ataques pessoais.
    o laicismo da República, assente na separação da Igreja e do Estado, originou, por sua vez, um violento anticlericalismo. A proibição das congregações religiosas, as humilhações impostas a sacerdotes e a excessiva regulamentação do culto, entre outras medidas, granjearam à República hostilidade da Igreja e do país conservador e católico.

    2) Três efeitos da participação portuguesa na Primeira Guerra Mundial foram a declaração de guerra a Portugal pela Alemanha, o massacre ao CEP, as greves, motins e assaltos a lojas e armazéns.

    3) A falta de bens de consumo, os racionamentos, a especulação, a queda da produção industrial, o crescimento do défice da balança comercial, o disparo da dívida pública, a diminuição das receitas orçamentais, aumento das despesas e a desvalorização da moeda, que originaram uma inflação galopante, são os principais
    económico-financeiros vividos no pós-guerra.

    4) A agitação social no pós-guerra manifestou-se através das reivindicações operárias, a propaganda do bolchevismo e a desordem política.

    5) Dois fatores que contribuíram para a agitação social referida na questão anterior foram o aumento do custo de vida e o decréscimo dos salários.

    PÁGINA 87

    1) Três objetivos da governação de Sidónio Pais foram: a revolução unionista, a ordem pública e o equilíbrio político.

    2) O equilíbrio político.

    3) O receio que os políticos republicanos podiam experimentar face à situação no doc. 77 era a manifestação da religião, pois estes granjearam a hostilidade da igreja e do país conservador e católico.

    4) Três fragilidades políticas do regime republicano no pós-guerra foram o enfraquecimento do poder central, o parlamento liberal e a desorganização pela parte dos elementos dos partidos.

    PÁGINA 88

    1) A atitude que a imprensa apresentava era hostilidade contra a República. Esta pedia a demissão da República, se não, iriam começar uma revolução.

    2) O Rebate, dizendo que o inimigo estava próximo dele.

    3)A referência a Primo de Rivera têm haver com o golpe militar que ele organizou em Espanha. Assim, a imprensa portuguesa queria o mesmo a República.

    4)O "28 de Maio" foi um movimento de caráter exclusivamente militar. Os seus objetivos eram levar o Exército a intervir na política com o fim de moralizar a administração pública e a dissolução imediata do Parlamento. As reformas que foram propostas eram: pôr de parte todas as leis feitas com objetivos particulares que defendiam apenas interesses de alguns indivíduos, contrariando
    o interesse geral da Nação; pôr a cobro todos os escândalos administrativos que se tinham registado à algum tempo e os culpados que ficaram impunes e a situação dos implicados de Angola e Metrópole, apressando-se o julgamento dos réus.
    Este movimento queria assegurar a utilização moderna e inteligente da massa operária, colaborando com esta nas melhorias sociais. A questão religiosa era encarada de livre preconceito, procurando assegurar a personalidade jurídica da Igreja e a liberdade do ensino religioso nas escolas particulares.
    Em suma, o grande objetivo deste movimento era trabalhar com inteligência e honestidade.

    Trabalho realizado por: Sandra Conceição e Soraia Monteiro

    ResponderEliminar
  2. Marcelo Assis- pag 85
    1- As características da primeira Republica visíveis no doc. B são o parlamentarismo , as disputas entre os partidos
    políticos e líderes partidários e no doc. C a perseguições ao clero laicismo OU anticlericalismo OU perseguições ao clero.

    2- Os 3 efeitos da participação portuguesa na 1 Guerra Mundial são a instabilidade política, a violência e escassez de géneros.

    3-Os problemas económicos -financeiros vividos no pós-guerra foram , a Subida do custo de vida , Desvalorização do escudo relativamente à libra-ouro.

    4-A agitação social no pós-guerra Manifestou-se no aumento do número de greves.
    5-Os dois factores que contribuíram que contribuíram para agitação social referida na questão anterior foi a subida dos preços para além dos salários.

    pag.87
    1-Os 3 objetivos da governação de Sidónio Pais foram estabelecer a ordem pública, instaurar o regime presidencialista e acabar com o parlamentarismo.

    2-os objetivos referidos na questão anterios que podem ser visiveis no doc.76c era acabar com a influência do Partido Democrático.
    3-o receio que poderiam experimentar os políticos republicanos face á situação presente no doc.77 era da hegemonia da Igreja Católica.

    4-As 3 fragilidades politicas do regime republicano no pos-guerra no docC 78b , decadência do Parlamento liberal,desorganização dos partidos políticos e a fraqueza dos governos.

    pag.88
    1- A atitude que predominava , na imprensa para com o governo com o Governo doc.79 A era a atitude de declarada hostilidade para com o Governo e os políticos republicanos.
    2- A noticia que aparece apoiar o Governo é a notícia 4, do jornal O Rebate, que solicita a vigilância dos republicanos
    contra os que ameaçam derrubar o Governo.
    3- Primo de Rivera, que governou a Espanha nos anos 20 em regime de ditadura militar, surge como um exemplo para aqueles que defendem o fim
    das instituições democráticas.
    4-• Foi um movimento militar, destinado a fazer ressurgir Portugal e a moralizar a administração, recorrendo, em primeiro lugar, à dissolução
    do Parlamento.

    ResponderEliminar
  3. Bernardo e Raquel 12ºH227 de outubro de 2016 às 20:21

    Página 85
    1- A caricatura mostra os desentendimentos constantes entre os partidos no poder, e o documento C mostra a perseguição às ordens religiosas.
    2- Os três efeitos são as greves, os motins, os assaltos alojas e armazéns, racionamentos e cerca de 8000 mortos na guerra.
    3- Os problemas económicos são: os gastos do estado e os impostos cobrados que tiveram um aumento enorme até 1930, a moeda teve uma grande desvalorização face à libra a partir de 1920, a inflação galopante e a perda do poder de compra da população.
    Página 87:
    1- Acabar com o democratismo, realizar o equilíbrio político para que se estabeleça paz e por fim convocar eleições para se adotar o regime parlamentar ou presidencialista.
    2- Os objectivos são o fim do democratismo.
    3- O medo do apoio, cada vez mais forte, da população à igreja e assim causar maior instabilidade social.
    4- As três fragilidades são a desorganização dos partidos, as incompetências politicas e a falta de governação.

    ResponderEliminar
  4. Pag 85
    1)as características foram:em 16 anos de regime,houve 7 eleições gerais para o congresso, 8 para a presidência e 45 governos.
    O laicismo da República, assente na separação da igreja e do estado,originou um violento anticlericalismo.
    2) A dívida pública disparou,falta de bens de consumo, défice comercial cresceu.
    3) a diminuição de receitas orçamentais, o aumento das despesas, inflação.
    4) greves e agitação operária.

    Pag 87
    1) reaquilibrar politicamente o país,adotar uma nova forma de regime.
    2) o 1°objectivo em virtude de Afonso Costa ser o líder do partido democrático,algo que Sidónio Pais nao aceitava.
    3) Receio de uma nova ligação entre o estado e a Igreja.
    4) fraqueza dos governos; decadência do parlamento literal;desorganização dos partidos.
    Pag 88
    1) predominava uma atitude de hostilidade para com o governo e os políticos republicanos.
    2) noticia 4 -" republicanos, alerta o inimigo está proximo de nós"
    3) ele surge como exemplo para aqueles que defendem o fim das instituições democráticas.
    4) o 28 de Maio foi um movimento militar

    Andreia e Angelo

    ResponderEliminar
  5. pg 85

    4- a agitação social no pós-guerra começou por se manifestar através de greves e da desordem politica que portugal estava atravessar, através de baixos salários em comparação com o custo de vida minimo e das horas de trabalho dos operários

    5- Baixos salarios em comparação com o custo de vida e a desordem politica que o país atravessava

    Bernardo e Raquel

    ResponderEliminar
  6. pg 88
    1- a atitude que predominava na imprensa para com o Governo era uma atitude de revolta,apoiavam o golpe de estado, onde os militares tomariam o Governo derivado a grande desordem politica
    2- A noticia do ponto 4 era a que apoiava o governo através dum aviso aos Republicanos que os que se opunham estavam proximos de atuar, que consequentemente dois dias depois há um golpe de estado e implata-se a Ditadura no Governo
    4- Com base na entrvista ao general Gomes da Costa, o 28de Maio foi um movimento exclusivamente militar para levar o Exercito a intervir na politica com fim de acabar com a desordem politica havendo so uma ordem acabando com a Republica, estabilizar em termos sociais e aliviar as dificuldades economicas que Portugal enfrentava

    Bernaro e Raquel

    ResponderEliminar
  7. Patrícia Domingos 12ºH2

    Pág. 85
    1- Com base nos docs. 73B e C, as características da 1ª República são a instabilidade governativa, o laicismo da República e a hostilidade da Igreja.

    2- Com base nos docs. 73A e D, três efeitos da participação portuguesa na Primeira Guerra Mundial são desequilíbrios económicos, descontentamento social e inflação galopante.

    3- Com base nos docs. 74A, B e C, os problemas económico-financeiros vividos no pós-guerra são o reduzido poder de compra das classes médias, aumento do desemprego e o maior custo de vida.

    4- Com base no docs. 75A e B, a agitação social manifestou-se através de greves frequentes impulsionadas pelos anarcossindicalistas que recorriam a atentados bombistas, como está no doc. 75B “A torrente das reivindicações operárias aumenta” e “É necessário impedir que, sob os fermentos da desordem política que há em Portugal, se deixem de desenvolver outros fermentos de desordem social.”

    5- Com base nos docs. 74C e 75B, dois fatores que contribuíram para a agitação social referida na questão anterior são o aumento do desemprego e o aumento do custo de vida.

    Pág. 87
    1- Com base no doc. 76B, três objetivos da governação de Sidónio Pais são o equilíbrio politico e dissolver o Congresso.

    3- Os políticos republicanos receavam que a religião e a Igreja se juntassem outra vez ao Estado.

    4- Com base no doc. 78B, três fragilidades politicas do regime republicano no pós guerra são a presença de políticos incompetentes, “Os políticos não têm sabido atuar e têm-se limitado a dizer palavras.”, a instabilidade politica e o enfraquecimento do poder central.

    Pág. 88
    1- Com base no doc. 79A, a imprensa criticava bastante o governo como está no doc. “Um movimento à Primo de Rivera? E se for?” e “Republicanos, alerta, o inimigo está próximo de nós”.

    2- Com base no doc. 79A, a noticia que parece apoiar mais o governo é a noticia 3 pois de certa forma está a encorajar Portugal ao dizer que “para a frente é que é o caminho”.

    3- No doc. 79A, há uma referência a Primo de Rivera pois em Espanha foi ele que instaurou a ditadura militar de modo a acabar com a instabilidade social e politica de Espanha, suspendeu a Constituição, dissolveu as Cortes e suprimiu os partidos políticos, tudo o que os portugueses queriam de modo a “salvar” Portugal.

    4- Com base na entrevista ao general Gomes da Costa (doc.79C), o 28 de Maio foi um movimento de caráter militar a fim de levar o exército a intervir na politica para moralizar a administração pública do país, de modo a dissolver imediatamente do Parlamento. As reformas da administração que pretendem aplicar são “pôr de parte todas as leis feitas com objetivos particulares“ e “pôr cobro a todos os escândalos administrativos”.

    ResponderEliminar
  8. Marcelo e Luiléne:

    Pg.85 (manual)
    1. A instabilidade governativa, em que o Parlamento interfere em todos os aspetos na vida governativa, exigindo constantes explicações aos membros do Governo e optando até pelo caminho dos ataques pessoais (doc.73B); A separação da Igreja do Estado (laicismo) que deu origem a um violento anticlericalismo, devido á influencia que o clero exercia sobre o Estado (doc.73C)
    2. A participação portuguesa na Primeira Guerra Mundial originou vários efeitos, tais como: desequilíbrios económicos, descontentamento social e perda de população devido ao elevado número de soldados portugueses enviados pra guerra, que no fim, mais de metade acabou morta (doc.73D).
    3. Com o pós-guerra, apareceram vários problemas económico-financeiros, tais como: o défice da balança comercial aumentou; a divida pública disparou (doc.74A); a multiplicação da massa monetária em circulação, que desvalorizou a moeda e originou uma inflação galopante (doc.74B e C).
    4. A agitação social no pós-guerra adquiriu contornos violentos nas grandes cidades, dando origem a greves (doc.75A) e as guerras dinamizadas pelos anarcossindicalistas tornaram-se frequentes (doc.75B).
    5. A diminuição das receitas orçamentais/aumento das despesas e o encarecimento das vidas socias, contribuíram para a agitação social.


    Pg.87 (manual)

    1. Sidónio Pais, com a sua governamentação instituiu vários objetivos, tais como: a solução do problema político, isto é, realizar o equilíbrio político para que se estabeleça a paz no país; resolução da ordem pública; e a reação á demagogia dos políticos profissionais e me particular á hegemonia do Partido Democrático na vida nacional.
    2. O objetivo de Sidónio Pais que é visível no doc.76C é o equilíbrio político para que se estabeleça a paz no país.
    3. A Igreja cerrou das fileiras em torno do Centro Católico Português, sabendo que dar-lhe força dispunha de imenso país agrário, conservador e católico. Então as aparições em Fátima (doc.77) exacerbaram o fervor religioso e tiveram um papel determinante no declínio do anticlericalismo.
    4. As três fragilidades políticas do regime republicano no pós-guerra são: a instabilidade governativa, atos de violência despropositada e a desorganização política.

    Pg.88

    1. A atitude que predominava, na imprensa, para com o Governo é a defesa da República.

    ResponderEliminar
  9. Ficha de trabalho (páginas 85, 87 e 88)
    Página 85
    1. No documento 73 B e C, podemos observar duas das características notadas na 1ª República, sendo estas a Instabilidade Governativa e o Laicismo, ou seja, a separação entre a Igreja e o Estado, respetivamente.
    2. A participação de Portugal na Guerra demonstrou-se mais complicada, devido a todos o antecedente deste país. Saiu da guerra pouco vitorioso, apesar de pertencer aos Aliados, vencedores deste confronto. Muitas mortes, desequilíbrios financeiros e descontentamento social foram os resultantes desta participação na Grande Guerra.
    3. No pós-guerra presenciamos alguns desequilíbrios e problemas económico-financeiros em Portugal, como crise, fome, salários baixos e inflação, como podemos observar nos documentos 74 C e B respetivamente.
    4. A população agiu de acordo com o senso comum, quando existem insatisfações sociais: ocorreram muitas greves que, ao longo de quinze anos multiplicaram-se cinco vezes, como podemos observar no documento 75 A.
    5. A agitação social demonstrou-se aparente após a subida de preços e a propaganda do bolchevismo, como podemos observar no documento 75 B.
    Página 87
    1. Sidónio Pais pretende, com a sua governação, “realizar o equilíbrio político, para que se estabeleça a paz no país.”, como podemos observar no documento 76 B. Pretende, de igual forma, “por toda a gente reclamada, para todos aqueles que do trabalho querem progredir.” E, por fim, quanto ao regime, dever-se-á adotar “parlamentar, se presidencialista.”.
    2. O objetivo apresentado no documento 76 C. será o último, seja este que o regime a adotar fosse “parlamentar”.
    3. Os políticos republicanos geraram descontentamento quando instituíram consigo o laicismo. Em 1917, com a aparição de Fátima terá sido o motivo e a interligação para maior descontentamento da população integralmente católica.
    4. Podemos verificar no Documento 78B três fragilidades aparentes do regime republicano: incompetência dos Republicanos, “Os políticos não têm sabido atuar e têm-se limitado a dizer palavras.”; incompetência da politica e , por fim, desorganização dos partidos, “a resistência dos partidos à dissolução, a sua depuração e o respeito aos princípios da ordem.”.
    5. A cada partido constituíam diversos partidos que formavam uma enorme confusão partidária , como podemos verificar no documento 78A.


    Página 88
    1. A atitude que prevalece seria a de declarar guerra, “Perante a ditadura do Governo, todas as revoluções se justificarão (A Choldra, nº15 08-05-1926)”, documento 79A.
    2. A única noticia que apoia o Governo será a do jornal O Rebate, que avisa dizendo “Republicanos, alerta, o inimigo está próximo de nós!”.
    3. No documento 79A, podemos verificar uma referência a Primo de Rivera, que, em Espanha, destruiu o Governo, ,melhorando a situação do seu país e, os Portugueses, consideram se será esta a melhor solução para Portugal.
    4. O 28 de Maio foi um golpe de Estado organizado por militares, de modo a “Levar o Exército a intervir na política, com o fim de moralizar a nossa administração pública…”, documento 79C.

    ResponderEliminar
  10. Ruben, Ricardo e Nelson
    P.85
    1. Tendo por base os doc. 73B e C a 1° República caracterizava-se pela instabilidade governativa, que derivava dos elevados poderes do Parlamento português sobre governos e presidentes. Caracteriza-se também pelo laicismo, assente na separaçáo da Igreja e do Estado, o que originou o anticlericalismo.
    2. Três efeitos da participação portuguesa na Primeira Guerra Mundial foram o elevado número de baixas, feridos e doentes, o agravamento da debilidade económica e o descontentamento social.
    3. Os problemas económico-financeiros vividos no pós-guerra fora a carência de bens de consumo, o que fez subir o preço dos produtos, que estavam sujeitos a um racionamento. A produçáo industrial encontrava-se em queda e o défice da balança comercial cresceu. Este défice conduziu ao aumento da quantidade de moeda em circulação, desvalorizando-a e originando uma inflação substancial.
    4. A agitação social no pós-guerra manifestou-se, de acordo com os doc. 75A e B, através de vagas generalizadas de greves e atentados bombistas, através da propaganda anti-repúblicana e da reivindicação operária.
    5. Os dois fatores que contribuíram para a agitação social referida na questão anterior foram a inflação galopante que viria a resultar numa desvalorização da moeda e num aumento de preços, o que viria a resultar num aumento do custo de vida. O outro fator foi a descrença com a República, sentindo-se traídos. Esta descrença chegou a ter contornos violento nas grandes cidades.

    P.86
    1. Tendo por base o doc. 76B três objetivos da governação de Sidónio Pais eram resolver as questões de ordem pública, que faziam referência ao operariado, outro objetivo, era a realização de um equilíbrio político para que se estabeleça paz no país. E por fim , para a realização destes objetivos pretendia a destituição do Presidente da República e a dissolução do Congresso.
    2. O objetivo referido na questão anterior que é visível no doc.76C é a destituição do Presidente da República e a dissolvência do Congresso e a sucessiva entrega de poderes ao próprio, Sidónio Pais.
    3. O receio que os políticos republicanos poderiam experimentar face á situação presente no doc.77 seria o declínio do anticlericismo, que viria mesmo a acontecer, em virtude das "aparicões de Fátima", em 1917, que tiveram um papel determinante para este acontecimento.
    4. No doc.78B, três fragilidades políticas do regime republicano pós-guerra eram a desorganização política com evidentes sinais de desagregação que resultaram na consequente instabilidade governativa, existindo 26 governos entre 1919 a 1926. A esta instabilidade acrescentavam-se os atos de violência despropositada que manchavam o regime e que nos envergonhavam além fronteiras, como por exemplo, a "Noite Sangrenta".

    P.88
    1. De acordo com o doc. 79A a atitude que predominava na imprensa para com o Governo era de insatisfação. A imprensa não se mostrava disposta a defender o Governo, apoiando assim, o golpe militar.
    P.88

    2. No doc. 79A a notícia que parece apoiar o governo, é a notícia n° 4, da revista "O Rebate", onde esta faz um aviso acerca do do golpe de estado que estaria para vir.

    3. A referência a primo de Rivera na notícia n°3 (doc.79A) demonstra a vontade de se fazer em Portugal o mesmo que em Espanha, com a pretenção de acabar com a instabilidade social e política.

    4. Com base na entrevista ao general Gomes da Costa (doc.79C), o "28 de Maio" foi um movimento militar, ao qual este se referia como ressurgimento nacional. Este movimento pretendia a dissolução do Parlamento, em resposta às incapacidades da política da República Parlamentar.

    ResponderEliminar
  11. Página 85
    1. A 1ª República era caracterizada por uma instabilidade política, onde havia o conflito entre o partido democrata e o partido evolucionista, tal como é visível na caricatura do Doc. 73B. Uma outra característica da 1ª República é o corte com a igreja, a adoção de um estado anti-clerical e laicista, como é possível ver no Doc. 73C, onde todos os jesuítas foram presos ou expulsos do país.

    2. Com a participação de Portugal na Primeira Guerra Mundial, os portugueses são bastante afetados, pois com a necessidade de pagar a guerra começa a haver diminuição de salários e consequente falta de dinheiro. Os portugueses começam a passar fome por ao haver comida e a derrota de La Lys causa um grande impacto negativo pelo grande número de perdas humanas.

    3. Após a guerra, os problemas económico-financeiros aumentaram. No Doc. 74A é possível verificar que houve um aumento dos gastos do Estado e das suas receitas, o que, possivelmente, contribuiu para uma balança comercial mais deficitária. O Doc. 74B mostra-nos a desvalorização do escudo em relação á libra, sendo que no ano de 1924 uma libra equivalia a mais de 120 escudos. Já o Doc. 74C apresenta tanto o aumento dos preços por grosso, como o custo de vida e os salários. Apesar dos salários terem aumentado, não houve uma grande melhoria na qualidade de vida, pois ao mesmo tempo o custo de vida e os preços aumentaram.

    4. A agitação social fez-se manifestar através de greves, que tinham como principais motivos o salário, a solidariedade e o horário. Por outro lado, havia uma agitação social devido á tentativa de fermentar o bolchevismo em Portugal, algo que muita gente não queria.

    5. Dois factores que contribuíram para a agitação social foram: o aumento do custo de vida e o aumento de preços por grosso, que teve como consequência a criação de greves para reivindicar, sobretudo, melhores salários.

    Ana Sara Sousa
    Ivan Candeias

    ResponderEliminar
  12. Página 87
    1. Três objetivos da governação de Sidónio Pais eram: acabar com o democratismo e com a "sua obra nefasta"; realizar o equilíbrio político para que se estabeleça a paz no país.

    2. No Doc.76C é possível ver o objetivo de acabar com o democratismo de Afonso Costa.

    3. Os políticos republicanos poderiam ter receio das aparições de Fátima, pois sendo um estado anti-clerical, defendiam o laicismo, que é a separação do Estado da igreja. Nas zonas rurais já havia uma grande ligação á religião e com as aparições há um aprofundamento desta. Os republicanos não estão satisfeitos, porque tinham medo da contestação ao regime por esta esmagadora maioria rural.

    4. Três fragilidades políticas do regime republicano no pós-guerra foram: a incompetência dos políticos que estavam no governo; o enfraquecimento do poder central por haver uma grande instabilidade política há já muitos governos atras; a desorganização dos partidos, que contribuía para a instabilidade política.

    Ana Sara Sousa
    Ivan Candeias

    ResponderEliminar
  13. Página 88
    1. A imprensa mostrava-se toda contra o governo, atacando-o constantemente e aclamando o poder à ditadura. Apenas a revista "O Rebate" se encontrava do lado da República e avisava sobre o perigo dos opositores a este regime.

    2. A notícia que parece apoiar o governo é a notícia n°4, da revista "O Rebate", onde esta faz um aviso sobre o golpe da ditadura que está para vir e pede para que os republicanos estejam alerta.

    3. A referencia a Primo de Rivera explicita a vontade de se fazer em Portugal o mesmo que se fez em Espanha. Primo de Rivera, numa tentativa de acabar com o período de instabilidade social e política, suspendeu a Constituição, dissolveu as Cortes e suprimiu os partidos políticos. Na notícia número 3, é possível verificar a vontade da existência de uma ditadura militar.

    (Falta a quatro mas será o Ivan a enviar)

    Ana Sara Sousa
    Ivan Candeias

    ResponderEliminar
  14. Ivan e Sara

    Questão 4 da página 88

    4-Segundo o documento 79C foi exclusivamente militar e houve dissolução imediata do Parlamento que vem exercendo uma ação desmoralizadora sobre os nossos costumes políticos, o país estava a desagregar-se com leis atentatórias da moral que é absolutamente indispensável revogar. Pronunciamento militar de cariz nacionalista que pôs termo à Primeira República Portuguesa, levando à implantação da Ditadura Militar, após a aprovação da Constituição de 1933, em Estado Novo, regime que se manteve no poder em Portugal até à Revolução dos Cravos de 25 de Abril de 1974. A revolução começou em Braga, comandada pelo general Gomes da Costa, sendo seguida de imediato em outras cidades como Porto, Lisboa, Évora, Coimbra e Santarém.

    ResponderEliminar
  15. Tatiana Pereira e Kátia Ablé

    Página 85
    1)Após uma análise ao documento 73B e C, consideramos visíveis duas principais características da 1ª República. No documento B, está assente o parlamentarismo (derivado dos elevados poderes do Congresso da República sobre governos e presidentes) que, contribuiu para uma sistemática instabilidade governativa, com cerca de 45 governos, 7 eleições para o Congresso e 8 para a Presidência em 16 anos de regime. O parlamento interferia ‘’em todos os aspetos da vida governativa’’, exigindo explicações constantes aos membros do Governo, seguindo até pela via dos ataques pessoais, ilustrados no mesmo documento. Por outro lado, no documento C, consta o laicismo da República, que separa a Igreja do Estado, originando um anticlericalismo extremo que assentava em medidas como: a proibição das congregações religiosas e as humilhações impostas a sacerdotes.
    2)Três efeitos da participação portuguesa na 1ª Guerra foram, por exemplo, as dolorosas perdas que afetaram o Corpo Expedicionário Português (CEP). Também as greves, os motins e os assaltos a lojas e armazéns vão tomando proporções cada vez maiores. Por fim, o número de intentonas revolucionárias torna-se também ele, bastante relevante.
    3)A participação de Portugal na guerra acentuou os seus desequilíbrios económico-financeiros. Com a produção industrial em queda, o défice da balança comercial vai aumentando. Ou seja, as contas públicas estavam cada vez mais desorganizadas: os gastos do Estado eram quase sempre superiores às suas receitas (doc. 74ª). Esta situação encaminhou os governos a seguirem a ‘’solução’’ arranjada em outros países: a multiplicação da massa monetária, que desvalorizou a moeda e originou a chamada inflação (doc. 74B). Esta foi, em grande parte, responsável pelo aumento do custo de vida, visto que os preços estavam cada vez mais altos mas os salários não tinham sofrido qualquer alteração (doc. 74C).
    4)A participação portuguesa no conflito mundial veio também contribuir para o crescente descontentamento social. As greves eram mais que muitas e pelos mais diversos motivos: baixos salários, solidariedade, carga horária, defesa de direitos e entre outros. Chegando a um total de 527 desde 1910 a 1925 (doc. 75ª). Também os operários mostravam o seu desagrado perante o ‘’encarecimento constante da vida’’, com um número elevado de reivindicações que, muitas vezes, tomavam contornos violentos (doc. 75B).
    5)Dois fatores que contribuíram para a agitação social referida na questão anterior foram, essencialmente o aumento do custo de vida (doc. 74C), que afetou as classes médias que viviam de rendimentos fixos e poupanças e sentiam-se, assim, traídas por uma República que tinham apoiado desde cedo. Por outro lado, afetou também operários que estavam desempregados e cujos meios de revolta se centravam nas suas constantes reivindicações (doc. 75B). A agitação social adquire, desta forma, contornos violentos. Sendo que as greves dirigidas pelos anarcossindicalistas, que recorriam a atentados bombistas, tornaram-se frequentes.

    ResponderEliminar
  16. Tatiana e Kátia

    Página 87
    1)Três objetivos da governação de Sidónio Pais, resumiam-se por, primeiramente, destituir o Presidente da República. De seguida dissolver o Congresso e, por fim, fazer-se eleger presidente por eleições diretas.
    2)No documento 76C ‘’último ato de um valente’’, consta a destituição do Presidente Afonso Costa pelo próprio Sidónio Pais.
    3)A religião manifesta-se e a Igreja aproveita-se, assim, das fraquezas da República para se reorganizar. Revoltada com o anticlericalismo, sabia que ao reerguer-se contava com o apoio de um ‘’país agrário, conservador e católico’’. Eram factos destes que preocupavam os republicanos, por saberem que se a oposição ganhasse tal poder, a contestação ao regime ia aumentar significativamente. Foram as aparições de Fátima, que, mais tarde, deram maior força à religião e levaram ao declínio do anticlericalismo.
    4)Três fragilidades políticas do regime republicano no pós-guerra eram, por exemplo, o facto do Poder Central encontrar-se cada vez mais enfraquecido – um ‘’sinal de desagregação da sociedade’’. Por outro lado, faltava capacidade e carisma aos novos líderes para atuarem perante os seus projetos. Por fim, os partidos ‘’estão minados por elementos de desorganização’’.

    Pagina 88
    1)Com exceção do Partido Democrático e dos sindicalistas, poucos se mostravam satisfeitos com a atuação do governo e dispostos a defender a República. A impresa, por exemplo, defendia, em grande parte, que fossem feitas mais e mais extremas revoluções porque, perante a ditadura, todas elas se justificariam. Mantendo assim, uma atitude quase ameaçadora perante o próprio governo: ‘’ou demissão ou revolução’’.
    2)A notícia que aparenta apoiar o governo é a 4 do documento 79A. Fá-lo, de certa forma, avisando-o de que o inimigo está perto. Ou seja, a revolução, que estará próxima e virá dar fim à 1ª República.
    3)Na notícia 3 é a feita uma referência a Primo de Rivera por este general ter posto fim a um longo período de instabilidade social e política na Espanha, suspendendo a Constituição, dissolvendo as Cortes e suprimindo os partidos políticos.
    4)O 28 de Maio de 1926 foi um golpe militar de ‘’ressurgimento nacional’’ que visava uma maior intervenção política do Exército. Pretendia-se a dissolução imediata do Parlamento, cuja maioria de membros ‘’é de incompetentes e a obra de descrédito (…) é nefasta para o país e para as instituições republicanas.’’ Tinha em vista reformas como: rejeitar todas as leis feitas com objetivos particulares (defendiam interesses pessoais) e também acabar com os escândalos administrativos que se verificavam há alguns anos e ‘’cujos responsáveis ficaram impunes’’. Foi um movimento militar mas não militarista. Ou seja, se o exército está a agir é ‘’por se reconhecer como única entidade com poder e força para cumprir o que a opinião pública exige.’. Quando ao que se referia à Igreja e massa operária, procurariam colaborar com ambos nas melhorias sociais.

    ResponderEliminar
  17. O João Freitas e a Daniela sentiram dificuldades no envio do trabalho aqui para o blog e enviaram-no por email. Aqui está a ficha de trabalho de ambos:
    Página 85 do Manual
    1.Segundo o documento 1B, podemos verificar que haviam guerras na República entre o democrático Afonso Costa e o evolucionista António José de Almeida. O parlamentarismo contribuiu para a crónica instabilidade governativa. Também podemos observar o laicismo no documento 1C, o que acabou por originar um violento anticlericalismo.
    2.Três efeitos da participação portuguesa na Primeira Guerra Mundial foram: a violência em 1914 (“os números a guerra incluem, ainda, os feridos, os prisioneiros e as populações civis massacradas em África”- documento 73D); a desordem social em 1917 (“As greves, motins e assaltos a lojas e armazéns”; “vaga generalizada de greves e atentados bombistas” em 1920 - Documento 73A); E, por fim, temos os racionamentos em 1918 (documento 73A).
    3.Segundo os documentos 74A, B e C, os problemas económico-financeiros vividos no pós-guerra foram: o agravamento do défice das contas públicas em 1914 até 1930 onde se vê uma grande subida em 1922 nos gastos do Estado. Em 1928 verifica-se um destaque nas receitas do Estado (documento 74A); a desvalorização da moeda em 1911 até 1926. A desvalorização da libra-ouro em escudos tem uma grande incidência em 1920 e a subida galopante do custo de vida em 1914 até 1924. Podemos observar que os salários não conseguiram acompanhar as subidas de preços, sendo estes, menores.
    4.A agitação social no pós-guerra manifestou-se através do aumentos do número de greves, entre 1918 e 1925, como podemos observar no documento 75A e nas reivindicações operárias como se pode verificar no documento 75B (“A torrente das reivindicações operárias aumenta sem cessar face ao encarecimento constante da vida.”).
    5.A partir do documento 74C E 75B, dois dos factores que contribuíram para a agitação social referida na questão anterior foram: O aumento do custo de vida, a partir de 1916 (documento 74C) e a propaganda Bolchevista, que favorecia a luta de classes (“O Governo anunciou há dias a sua intenção de reprimir a propaganda Bolchevismo que se está fazendo em Portugal. (…) É necessário impedir que, sob os ferimentos da desordem política que há em Portugal, se deixem desenvolver outros fermentos de desordem social.” – Documento 75B).
    Daniela Epifânio e João Freitas

    ResponderEliminar
  18. Como a ficha de trabalho do João Freitas e da Daniela era muito longa teve de ser desdobrada em mais de comentário. Aqui segue a segunda parte:
    Página 87 do Manual
    1.Segundo o documento 76B, três objectivos da governação de Sidónio Pais foram: acabar com a influência do Partido Democrático (“democratismo” na vida política portuguesa (“Toda a gente de boa fé estava convencida de que o espírito que me animava era republicano, não restando dúvidas de que esse movimento tinha por fim acabar com o democratismo e com a sua obra nefasta”); Estabelecer a ordem política (“A outra questão é a solução do problema político, isto é, realizar o equilíbrio politico para que se estabeleça a paz no país.”); E instaurar o regime presidencialista (Em pleno século XX, não é possível o regime absoluto tendo-se, portanto, que optar pelo regime republicano; mas para isso é necessário que o país se pronuncie sobre a forma regime que deve adotar: se parlamentar, se presidencialista.”).
    2.O objectivo visível no documento 76C, sobre a governação de Sidónio Pais no documento 76B é que Sidónio Pais expulsa Afonso Costa do poder, por ser o líder do Partido Democrático. Sidónio Pais, considera que esta obra é “nefasta”, como podemos verificar no documento 76B (“(…) não restando dúvidas de que esse movimento tinha por fim acabar com o democratismo e com a sua obra nefasta.”).
    3.O receio que poderiam experimentar os políticos republicanos face à situação presente no Documento 77 é o receio da hegemonia da Igreja Católica, pois mostra-nos uma imagem de um devoto em Fátima.
    4.Segundo o documento 78B, três fragilidades políticas do regime republicano no pós-guerra foram: decadência do Parlamento Liberal (“As sociedades atuais apresentam evidentes sinais de desagregação, sendo o principal o enfraquecimento do Poder Central. […] Deste Poder faz parte o Parlamento Liberal.”); Desorganização dos Partidos Políticos (“Os partidos estão minados por elementos de desorganização”); E o enfraquecimento dos governos (“Se continuarmos com Governos que não governam […] a República e a Pátria perder-se-ão.”).
    Página 88 do Manual
    1.Através do documento 79A, podemos dizer que, a atitude que predominava na imprensa, era uma atitude agressiva para com o Governo e para os políticos republicanos (“Ao Sr. Dr. Bernardino Machado [Presidente da República] num único caminho é indicado: demitir o Governo.”).
    2.Segundo o Documento 79A, a notícia que parece apoiar o Governo é a noticia 4 (“4 – “Republicanos, alerta, o inimigo está próximo de nós!”). Esta faz de forma a induzir a vigilância dos republicanos contra aqueles que ameaçaram destruir o Governo.
    3.A referência a Primo de Rivera, na notícia 3, segundo o documento 79A, foi que Primo de Rivera, governou Espanha em regime de uma ditadura militar. Governando assim, torna-se um exemplo a seguir para os que defendiam o fim das instituições democráticas. (“3 – “Um movimentos à Primo de Rivera? E se for? Primo de Rivera salvou a Espanha. Para a frente é que é o caminho.”).
    4.Com base na entrevista ao General Gomes da Costa apresentada no documento 79C, o 28 de Maio foi um movimento militar, destinado a fazer ressurgir a Nação (“Exclusivamente militar. Nem conservador, nem radical. Pode chamar-lhe de ressurgimento nacional.”) e a moralizar a administração pública (“Levar o Exército a intervir na política, com o fim de moralizar a nossa administração pública.”) recorrendo primeiro à dissolução do Parlamento (“A dissolução imediata do Parlamento, que vem exercendo uma ação desmoralizadora sobre os nossos costumes políticos.”).

    ResponderEliminar
  19. Aqui fica a proposta de correção dos exercícios das pp. 85, 87 e 88 do manual:

    Pág. 85
    Questão 1
    • Doc. 1 B – parlamentarismo OU desentendimentos / disputas entre os partidos políticos e líderes partidários OU violência política OU dificuldades governativas.
    • Doc. 1 C – laicismo OU anticlericalismo OU perseguições ao clero.
    Questão 2
    • Escolher três
    – escassez de géneros (racionamentos);
    – instabilidade / agitação / desordem social (greves, motins, assaltos);
    – instabilidade política (rebelião e ditadura, guerra civil);
    – violência (assassinatos, atentados bombistas).
    Questão 3
    • Agravamento do défice das contas públicas, com maior intensidade até 1922 (em 1918 e 1922 as despesas mais do que duplicaram as receitas).
    • Desvalorização galopante do escudo relativamente à libra-ouro, especialmente a partir de 1920.
    • Subida galopante do custo de vida, em virtude de os salários não acompanharem o aumento dos preços.
    Questão 4
    • Manifestou-se no aumento do número de greves, entre 1918 e 1924, e nas reivindicações operárias.
    Questão 5
    • O aumento do custo de vida OU a subida dos preços para além dos salários OU a baixa do poder de compra dos operários.
    • A propaganda bolchevista, que favorecia a luta de classes.

    Pág. 87
    Questão 1
    • Escolher três
    – acabar com a influência do Partido Democrático (“democratismo”) na vida política portuguesa;
    – acabar com o parlamentarismo OU com os atos “vergonhosos” passados no Parlamento;
    – estabelecer a ordem pública OU acabar com a agitação que prejudica o trabalho;
    – solucionar o “problema político” OU tornar o país governável;
    – instaurar o regime presidencialista, depois de uma consulta ao país.
    Questão 2
    • O primeiro objetivo, em virtude de Afonso Costa ser o líder do Partido Democrático, cuja obra é considerada “nefasta” por Sidónio Pais.
    Questão 3
    • Receio da hegemonia da Igreja Católica OU do reatamento da ligação Estado-Igreja OU do regresso das ordens religiosas OU do fanatismo popular.
     Questão 4
    • Escolher três
    – incompetência dos políticos, ocupados em discussões estéreis;
    – enfraquecimento do Poder central;
    – decadência do Parlamento liberal;
    – desorganização dos partidos políticos;
    – fraqueza dos governos, que “não governam”.

    Pág. 88
    Questão 1
    • Atitude de declarada hostilidade para com o Governo e os políticos republicanos.
    Questão 2
    • A notícia 4, do jornal O Rebate, que solicita a vigilância dos republicanos contra os que ameaçam derrubar o Governo.
    Questão 3
    • Primo de Rivera, que governou a Espanha nos anos 20 em regime de ditadura militar, surge como um exemplo para aqueles que defendem o fim das instituições democráticas.
    Questão 4
    • Foi um movimento militar, destinado a fazer “ressurgir” Portugal e a “moralizar a administração”, recorrendo, em primeiro lugar, à dissolução do Parlamento.


    ResponderEliminar
  20. A Jandira também teve dificuldades em publicar a ficha de trabalho e só ma fez chegar na segunda feira. Como se pode ver só a consegui publicar hoje.

    P. 85
    1. As características da 1ª República visíveis no Doc. 73 B e C são: a separação do Estado e da Igreja e a instabilidade governativa.
    2. Muitas mortes; desequilíbrios económicos; descontentamento social.
    3. três efeitos da participação portuguesa na primeira guerra mundial foram a crise; as fomes; salários baixos; subida dos preços.
    4. A agitação social no pós-guerra manifestou-se através de greves.
    5. Os fatores que contribuíram para a agitação social são as subidas dos preços e a propaganda do bolchevismo.

    P. 87
    1. Os objetivos da governação de Sidónio Pais é a ordem pública; equilíbrio político e decidir se é regime parlamentar ou presidencialista.
    2. O objetivo é o equilíbrio político.
    3. Poderiam experimentar a separação.
    4. Algumas fragilidades políticas do regime republicano no pós-guerra são: políticos incompetentes; enfraquecimento do poder central; instabilidade política e a desorganização dos partidos.
    5. Através da incompetência.

    ResponderEliminar