terça-feira, 19 de abril de 2016

PRINCIPAIS VULTOS DA LITERATURA E DAS ARTES EM PORTUGAL NA VIRAGEM DO SÉCULO


Em Portugal, o século XIX é fortemente marcado pela corrente naturalista na pintura. O contacto dos artistas nacionais (como Marques de Oliveira e Silva Porto, fundadores do Grupo do Leão) com a pintura francesa, graças à atribuição de bolsas, permitiu-lhes praticarem com os mestres dos novos estilos. Começaram a privilegiar a pintura ao ar livre, paisagista. Dedicaram-se ao tratamento de temas banais do quotidiano e à representação de elementos anónimos do povo. Um pouco tardio, em relação ao Naturalismo francês, este "realismo na pintura" foi muito bem acolhido, não suscitando a polémica que recebera em França. Prolongou-se até ao século XX, altura em que surgem pintores com aproximação ao Simbolismo (como António Carneiro), influenciado pela corrente simbolista francesa.
COLUMBANO - O Grupo do Leão
Óleo sobre tela, 200 x 380
Sentados, da esquerda para a direita: Henrique Pinto, José Malhoa, João Vaz, Silva Porto, Antônio Ramalho, Moura Girão, Rafael Bordalo Pinheiro e Rodrigues Vieira.
De pé, da esquerda para a direita: Ribeiro Cristino, Alberto d'Oliveira, Manuel Fidalgo (empregado de mesa), Columbano, Dias (criado), Antônio Monteiro e Cipriano Martins.


MARQUES DE OLIVEIRA - À Espera dos Barcos
JOSÉ MALHOA - Os Bêbados

AURÉLIA DE SOUSA - Mulher a coser 
ANTÓNIO CARNEIRO - A vida

[173px-Pousao_cecilia1.jpg]
HENRIQUE POUSÃO - Cecília
Na literatura destaque para Eça de Queirós, Cesário Verde, Antero de Quental (realistas), Eugénio de Castro, Camilo Pessanha e António Nobre (simbolistas).
Eça de Queirós

Antero de Quental

Eugénio de Castro
Camilo Pessanha

António Nobre
Na historiografia destacou-se Oliveira Martins, autor de Portugal Contemporâneo e da História de Portugal.

Sem comentários:

Enviar um comentário