domingo, 18 de outubro de 2015

FICHA DE TRABALHO SOBRE A REVOLUÇÃO GLORIOSA E O PARLAMENTARISMO INGLÊS

Aqui podem colocar a resposta às questões das pp. 66 e 68 realizadas na aula, até à próxima 5ª feira, dia 22. Publicam os seguintes alunos:

p. 66

questão 1 - Ricardo
questão 2 - Nelson
questão 3 - Angelo
questão 4 - Andreia
questão 5 - Luilene
questão 6 - Adilson
questão 7 - Bernardo
questão 8 - Kátia
questão 9 - Inês

p.68

questão 1 - Décia
questão 2 - Ana Valente
questão 3 - Raquel Carvalho

24 comentários:

  1. Storaaaaaaa do meu coração, este e aquele seu aluno chato do ano passado que a stora ja tem tantas saudades! quue fazia sempre os comentarios estupidos, nao me esqueço que nos trocou! quero-a de volta!
    Podemos chegar a um acordo sem nenhum problema!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um penetra?
      Pelo menos podias ter dado uma resposta para não dar tanto nas vistas.

      Eliminar
    2. Hoje faço e respondo aqui stora!! sem falta!
      Mas fala com a stora Conceição para me dar 18 na apresentação oral ;)

      Eliminar
  2. Para montesquie a liberdade dos ingleses baseava se no fato de a coroa ter o poder restringido e controlado
    Bernardo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Questão nº 7 - p.66

      De acordo com Montesquieu a liberdade dos ingleses manifestava-se pelo facto de nem o rei nem o Parlamento terem o controlo total, vigiando-se mutuamente, não permitindo arbitrariedades contra os cidadãos, respeitando as leis do país.

      Eliminar
  3. Questão nº 5 da página 66 do manual:

    Os poderes reservados ao Parlamento pela Declaração dos Direitos, presentes no Doc.33, são:
    - O parlamento tinha o poder de suspender as leis ou a sua execução;
    - Possuíam o poder de concordar com qualquer levantamento de dinheiro ou de uso da Coroa;
    - Possuíam o poder de concordar com o recrutamento e a manutenção de um exército no reino em tempo de paz;
    - Possuíam o poder de liberdade nas eleições dos membros deste mesmo;
    - Possuíam o poder de corrigir recursos, alterar, ratificar e observar as leis, sendo frequentemente reunidos;
    Basicamente, o Parlamento tinha um enorme poder sobre a monarquia inglesa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ou seja, na prática o rei não podia tomar decisões sozinho, precisava sempre do consentimento do Parlamento para suspender ou mandar executar leis (poder legislativo), utilizar dinheiros públicos e recrutar e manter exércitos em tempo de paz.

      Eliminar
  4. Bom dia professora aqui esta a resposta a questão 9:
    As eleições de um representante são por norma um direito comum a todos os cidadãos, independentemente da classe social, o eleitor deve votar naquele que acha melhor defender os seus interesses, o voto deve ser mantido em segredo não havendo influências de terceiros (subornos). A denúncia feita por Hogarth e representada na imagem vai em todos os aspetos, contra o espirito de uma eleição, sendo o número de eleitores reduzido (apenas tinham direito a votar aqueles que possui sem um certo grau de fortuna), haviam corrupções e alterações de voto, o mesmo não era secreto tornando se fácil a sua manipulação, os candidatos faziam inumeras promessas e dádivas em dinheiro de forma a angariar os votos necessários para entrada nos comuns.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ou seja, o pintor realça a compra de votos o que vicia o resultado das eleições.

      Eliminar
  5. Kátia nº14
    Resposta da 8 página 66:
    8. A frase do texto que melhor corresponde ao símbolo identificado com o nº5 no documento 34B é: "O príncipe não tem o poder de fazer qualquer mal a quem quer que seja, visto que o seu poder é controlado e restringido pela lei."

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Todos acabam por ser obrigados a cumprir a lei (o rei e os membros do Parlamento também).

      Eliminar
  6. Nelson nº18
    Resposta a questão nº2:

    2. As acusações que pesavam sobre Carlos Stuart eram as de concentrar em si todo o poder (absolutismo) usando-o para o seu próprio benefício e retirando liberdade ao povo e de com este poder dissolver o parlamento, desencadeando assim uma guerra civil.

    ResponderEliminar
  7. Aqui segue a questão 3 da página 68

    De acordo com" a nova teoria sobre o poder politico" de John Locke é legitimo a deposição de um rei tirano pois," todo o poder depende da vontade dos governados".Ou seja,o poder confiado pelo povo ao rei pode regressar ao mesmo , sempre que o corpo legislativo falhe a sua missão( a de assegurar à sociedade que possa usufruir dos seus bens em paz e segurança, o que constitui o bem comum) .
    Assim sendo e tendo em conta que um rei tirano prejudicará gravemente o bem comum, os governados têm o direito de se revoltarem contra o mesmo e retirar-lhe o poder outrora confiado .

    ResponderEliminar
  8. 4. Philip Worwick defende que o povo se mostrava ressentido com o rei e descontente com as suas atitudes tiranas, que chegaram a provocar mortes inocentes e na descrição da pintura, o povo é descrito como estando chocado e descontente com a execução do rei, a descrição da pintura contraria a condenação de Carlos I na sua sentença . Andreia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não será ao contrário? Philip Warwick salienta uma atitude a favor do rei, por outro lado o quadro acentua a antipatia pela figura do rei (ninguém está com ar desgostoso, alguns até agitam os chapéus em sinal de incitamento ao que está a acontecer).

      Eliminar
  9. Bom dia professora aqui vai minha resposta (Décia) da questão nº1 da pág. 67 :
    Todo o gênero de homem deverá ter dois atributos- o estado de perfeita liberdade e o estado de igualdade.
    Professora envio também a resposta da Ana Valente da questão nº 2 da pagina 67:
    Este filósofo considera que o poder legislativo é o "poder supremo", porque a suprema finalidade para homens formarem sociedade era a de poderem dos seus bens em paz e segurança e criar leis nessa sociedade é o melhor meio para realizar esse fim. Por consequente a lei positiva primeira e fundamental é a que estabelece o poder legislativo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O poder legislativo é o poder supremo do Estado porque é o que se encontra nas mãos dos que representam o povo, certo?

      Eliminar
  10. 1. Os anos compreendidos entre 1629 e 1640 ficaram conhecidos como "os onze anos de tirania" pois esse período ficou marcado pela dissolvência do Parlamento, por parte do rei Carlos I, desrespeitando assim a "Petição dos Direitos" e iniciando uma guerra civil.

    Ricardo Faria

    ResponderEliminar
  11. Ao dissolver o Parlamento, o rei passou a governar sozinho, não é? Logo tornou-se rei absoluto o que provocou a revolta entre largas camadas da população, levando à guerra civil.
    (dissolvência, não; dissolução).
    Ok.

    ResponderEliminar